Reda El Hamahmy, general de polícia na reforma, disse à agência France-Presse que manteve sempre contacto com o filho desde que ele foi para Sharjah, nos Emirados Árabes Unidos, trabalhar como gestor de vendas.

A ida a Paris, onde na sexta-feira atacou um militar com uma faca, era “uma viagem de trabalho”, no fim da qual “ia visitar o Louvre”, partindo hoje de regresso aos Emirados.

Questionado sobre se o filho se radicalizou, o pai assegurou nunca ter detetado qualquer sinal disso.

“É um rapaz simples, todos gostamos dele. Posso mostrar-vos fotografias em que ele não usa barba”, frequentemente usada pelo ‘jihadistas’.

O procurador de Paris, François Molins, afirmou na sexta-feira que um egípcio de 29 anos, Abdallah El Hamahmy, é o suspeito do ataque no Louvre.

O homem, armado com facas, atacou quatro militares na entrada do museu, ferindo ligeiramente um deles antes de ser atingido a tiro no abdómen por outro.

Residente nos Emirados Árabes Unidos, El Hamahmy entrou em França com um visto turístico a 26 de janeiro, num voo com origem no Dubai, segundo o procurador.

O Presidente francês, François Hollande, referiu-se ao ataque como “um ato cujo caráter terrorista não levanta dúvidas”.

“A versão do Governo francês não faz sentido. Ele tem 1 metro e 65, como ia atacar quatro soldados? E no fim, não encontraram nada nas malas dele”, disse o pai.

“A segurança nacional [polícia egípcia] veio ontem [sexta-feira] pedir informações sobre ele e eu disse o que sei”, acrescentou.

Abdallah El Hamahmy é casado e a mulher, grávida, está na Arábia Saudita com o filho de ambos, de sete meses, segundo o pai do suspeito.

As autoridades estão hoje a analisar as comunicações no Twitter de um egípcio chamado Abdallah El Hamahmy, em cuja conta foi publicada uma dezena de mensagens em árabe minutos depois do ataque, entre as 09:27 e as 09:34 de sexta-feira.

“Em nome de Alá… para os nossos irmãos na Síria e combatentes em todo o mundo”, escreveu El Hamahmy, um minuto antes de publicar outro ‘tweet’ com uma referência ao grupo extremista Estado Islâmico.

Noutra mensagem, citou um verso corânico que promete o paraíso aos que morrem em combate por deus.

Numa outra, questiona: “Porque têm medo da criação de um Estado islâmico? Porque um Estado islâmico defende os seus recursos e a honra dos muçulmanos”.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.