O homem, de nacionalidade australiana e de 28 anos, fascista declarado, estava algemado quando ouviu, em silêncio, a leitura das acusações.

Brenton Tarrant fez o sinal dos supremacistas brancos ao comparecer perante o tribunal, onde decorreu a breve audiência realizada a portas fechadas por razões de segurança.

Junto ao edifício do tribunal, estavam agentes da polícia fortemente armados.

Tarrant não pediu fiança e permanecerá na prisão até a próxima audiência, marcada para 5 de abril.

Outras duas pessoas estão sob custódia, embora as suas ligações ao tiroteio sejam desconhecidas.

Há ainda 42 pessoas, incluindo uma criança de quatro anos, a receber cuidados médicos em vários hospitais como resultado dos ferimentos sofridos durante os ataques.

A ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, disse neste sábado que as vítimas incluem cidadãos da Turquia, Bangladesh, Indonésia e Malásia.

Segundo o canal de televisão Al Arabiya, há pelo menos um cidadão saudita entre as vítimas, enquanto as autoridades paquistanesas alegam que cinco de seus cidadãos estão desaparecidos.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.