O gestor, que falou à margem de uma conferência sobre turismo da saudade, organizada pelo Jornal de Notícias e pela Câmara de Gaia, disse que este valor é “muito penalizante”, não só para quem viaja, mas também para a empresa, dadas “as compensações” que é obrigada a pagar.

“Os 40 milhões foram deitados fora, foram perdidos”, lamentou o líder da companhia aérea, salientando que o principal investimento do grupo neste momento é a formação e melhoria dos aviões.

“Os atrasos fazem parte dos desafios, não podemos deixar de voar por isso”, referiu Antonoaldo Neves.

O gestor garantiu ainda que a ponte aérea Lisboa-Porto está a funcionar com mais eficiência, tendo em conta uma melhor rotação de aviões e aeronaves mais modernas.

O presidente executivo da TAP salientou também que o volume de voos no Porto “é maior do que sempre foi”.

O líder da empresa acredita que os preços que a TAP pratica são “competitivos”, porque o serviço é “muito melhor”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.