"Sofremos danos de milhões de euros", referiu Carlo Alberto Tesserin, encarregado da Basílica de São Marcos, enquanto as bombas retiram a água marinha de sob os arcos da refinada pedra rosa e branca, sob o olhar ao mesmo tempo triste e irritado dos vigilantes.

A obra-prima da arquitetura do século X encontra-se num dos pontos mais baixos da cidade e portanto, entre os mais afetados pela maré alta.

"No ano passado, advertimos que a basílica envelhece 20 anos durante cada maré alta, mas desta vez, envelheceu muito mais", lamenta Tesserin.

A segunda pior inundação na "Sereníssima" desde 1923

A maré que assolou na noite de terça-feira a cidade conhecida como "Sereníssima" chegou a 1,87 metro sobre o nível de referência, obrigando centenas de turistas a cruzar na escuridão vielas cobertas de água.

Trata-se da segunda pior inundação de Veneza desde que começaram a ser registadas, em 1923. A pior foi em 4 de novembro de 1966, quando a maré subiu 1,94 metro acima do nível normal.

Enquanto o vento forte alimentava as ondas que se agitavam na praça, transformada em lago, a água entrava na basílica com uma força "nunca antes vista, nem sequer durante a inundação de 1966", conta Tesserin. E lembra que os alertas feitos há um ano pelo recrudescimento do fenómeno da "Acqua Alta" não foram escutadas.

créditos: AFP or licensors

Esgoto doméstico e ratos afogados flutuavam no meio aos becos inundados, enquanto jornalistas da AFP tentavam documentar os danos.

A célebre basílica, construída no ano 828 com uma variedade de estilos e materiais e reconstruída depois de um incêndio em 1063, torna-se particularmente vulnerável quando aumenta o nível da água. "O dano externo que vemos hoje não é nada comparado ao sofrido no seu interior porque o sal corrói o mármore e os tijolos", explicou Tesserin.

A basílica, famosa por mosaicos dourados que adornam suas majestosas cúpulas e as decorações da tumba de São Marcos, é um museu vivo de arte bizantina. "Especialistas tinham advertido em muitas ocasiões sobre os riscos que corre, mas não foram escutados", reiterou.

O megaprojeto Mose devia salvar a cidade mas tem sido alvo de corrupção

O ministro italiano da Cultura, Dario Franceschini, anunciou que serão avaliados os danos causados ao patrimônio cultural da cidade, classificada como património mundial da Humanidade pela Unesco em 1987.

A cidade repousa sobre milhões de pilares cravados no lodo até chegar a um fundo mais sólido, os quais sustentam palácios e casas.

Mas a elevação do nível do mar e o fluxo constante de navios de cruzeiro têm contribuído para correr os pântanos e bancos de lodo circundantes.

A Sereníssima, que afunda gradativamente é, portanto, muito frágil aos caprichos do Mar Adriático.

O megaprojeto Mose, que devia salvar a cidade das marés altas, tem sido alvo de polémicas diversas devido ao seu elevado custo, pois inicialmente deveria custar dois mil milhões de euros, mas este valor disparou por casos de corrupção que levaram à detenção, em 2014, do então autarca, Giorgio Orsoni, e de outras 34 pessoas.

Os 78 diques flutuantes que deviam fechar a lagoa em caso de aumento das marés foram testados recentemente, mas o dispositivo causou vibrações perturbadoras e os engenheiros descobriram que algumas partes estavam oxidadas.

"Precisamos saber se MOSE funciona ou se é preciso implementar outro projeto", diz Tesserin.

Enquanto a Defesa Civil verifica o estado da cripta em busca de danos e equipes de voluntários trabalham para tirar a água da basílica, as autoridades temem novas inundações.

"Tememos a maré alta de novo esta noite e nos próximos dias. Sendo assim, para que Veneza sobreviva, devemos agir agora", pediu Tesserin.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.