“Os centros de saúde deviam estar abertos até mais tarde, até à meia noite deviam estar abertas pelo menos uma ou duas unidades por agrupamento de centros de saúde (ACES)”, sugere Miguel Guimarães.

O representante dos médicos defende ainda que os centros de saúde com horário alargado devem ter disponíveis alguns meios auxiliares de diagnóstico.

Estas sugestões surgem numa altura em que as associações profissionais dos enfermeiros e dos médicos têm alertado para uma elevada procura nos serviços de urgência dos hospitais, descrevendo as situações como complexas ou mesmo caóticas.

Na Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, pelo menos, alguns centros de saúde vão estar abertos até às 22.00 horas, nomeadamente durante esta época do Fim de Ano.

O bastonário dos Médicos considera insuficiente e diz que todos os agrupamentos dos centros de saúde deviam ter sempre pelo menos uma unidade aberta até à meia noite.

Miguel Guimarães reconhece que há muitas pessoas que se descolam às urgências hospitalares e que não terão necessidade, mas lembra que os utentes só o fazem “porque sentem que não têm outra alternativa”.

“Passámos anos a dizer às pessoas para irem às urgências. Agora temos de fazer um trabalho de educação para a saúde, explicando que há situações agudas que não necessitam de uma ida à urgência hospitalar. Mas para isso temos de ter os cuidados primários preparados para receber as pessoas. O Ministério da Saúde ainda não criou essas condições”, afirmou o bastonário.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.