“O Governo nunca concretizou nenhuma das medidas [inscritas no Orçamento do Estado (OE) para 2019). No OE de 2021 não tinha, aliás, nenhuma medida para fixar os profissionais no SNS, tudo o que fez foi pedir ao Presidente da República para colocar no decreto do Estado de Emergência que os profissionais do SNS ficavam proibidos de se despedir durante o Estado de Emergência”, disse, em Esposende, à margem de uma visita aquilo que considerou ser um “atentado ambiental” na praia da Estela (na Póvoa de Varzim).

Questionada sobre notícias que dão conta que os Cuidados Intensivos estão a começar a sentir novamente pressão por causa da pandemia, Catarina Martins defendeu que “os profissionais de saúde precisam mais do que palavras de reconhecimento, precisam de condições para trabalhar”.

“Temos dito que o SNS está sob uma enorme pressão, os profissionais do SNS vão para o segundo ano em que muitos deles estão a ficar sem férias para responder ao que é preciso. Neste tempo não foi feito nada para compensar este esforço extraordinário, nem nas suas carreiras, nem nas contratações e vinculações que são fundamentais para que o SNS funcione”, apontou.

Para a líder do Bloco, é necessário agir para evitar a fuga de profissionais de saúde do SNS.

“Há profissionais a sair do SNS, o que prova esta absoluta necessidade de qualificar as carreiras, contar os tempos de serviço como deve ser, dar carreiras a todos os profissionais que trabalham no SNS”, disse.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.