No decurso do telefonema, Biden recordou o “indefetível envolvimento” dos Estados Unidos na proteção do seu aliado nipónico, em conformidade com a aliança militar em vigor entre os dois países, precisou o Executivo norte-americano.

O novo Presidente dos EUA precisou que o apoio estratégico norte-americano ao Japão inclui uma força de “dissuasão ampliada”. Este apoio implica o arquipélago desabitado de Senkaku, designado Diaoyu em chinês e reivindicado por Pequim, reafirmou o inquilino da Casa Branca.

Eleito em setembro na chefia do Governo japonês, Suga afirmou que vai prosseguir a linha do seu antecessor Shinzo Abe, que manteve boas relações com o ex-Presidente Donald Trump.

Após a sua vitória eleitoral em novembro, Biden comprometeu-se em manter os pactos de defesa mútua com os aliados estratégicos dos EUA e restabelecer as relações com alguns destes países, após um afastamento sob a presidência de Trump.

A relação entre Seul e Washington, duas outras capitais unidas por uma aliança militar, também registou turbulências nos últimos anos, com Trump a acusar a Coreia do Sul de não contribuir de forma suficiente à presença militar norte-americana no seu território, exigindo milhares de dólares.

Na relação com Pyongyang, os especialistas aguardam um regresso à situação mais clássica com Joe Biden, em posição a Trump e cujo mandato alternou entre as fases de “lua de mel” ou de tensão extrema com Kim Jong Un, o líder norte-coreano.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.