“O bombardeamento russo de uma maternidade é um crime de guerra odioso”, escreveu Borrell na sua conta na rede social Twitter, sublinhando que a cidade de Mariupol está cercada.

“Ataques aéreos a zonas residenciais e bloqueios ao acesso pelos comboios da ajuda humanitária pelas forças russas devem parar imediatamente”, escreveu ainda o Alto Representante da UE para a Política Externa e de Segurança, apelando à necessidade da criação de um corredor de passagem seguro para os civis.

Por seu lado, o ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, justificou o bombardeamento destas infraestruturas com o facto de o edifício da maternidade alegadamente servir de base ao grupo nacionalista extremista ucraniano Azov.

As autoridades de Mariupol divulgaram que três pessoas, incluindo uma criança, morreram no bombardeamento ocorrido na quarta-feira.

A Rússia lançou na madrugada de 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que causou pelo menos 516 mortos e mais de 900 feridos entre a população civil e provocou a fuga de mais de 2,3 milhões de pessoas para os países vizinhos, segundo os mais recentes dados da ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas a Moscovo.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.