Durante a noite, os bombeiros trabalharam em várias frentes para conter o fogo, que afeta há oito dias esta imensa ilha montanhosa e arborizada que fica 200 km a leste de Atenas.

"Esperamos apoio aéreo, mas veremos se o fumo permite voar", disse o presidente da Câmara de Istiea, Yiannis Kotzias.

Os bombeiros criaram barreiras contra as chamas para proteger algumas localidades do avanço do fogo. Na estrada que segue para Kamatriades, alguns moradores tentaram conter sozinhos a propagação das chamas. "Se o fogo passar, acabou", afirmou um jovem.

Na manhã de terça-feira, Kotzias mostrou-se "otimista nesta frente". "Conseguimos controlar esta frente porque atuamos a partir do solo e do ar", afirmou.

O primeiro-ministro Kyriakos Mitsotakis, criticado pela oposição, por moradores e autoridades locais, pediu desculpas por "possíveis erros" cometidos pelo Governo.

Quase 650 bombeiros estão mobilizados na ilha, apoiados por meios aéreos e por reforços enviados de outros países.

Em Eubeia, milhares de hectares foram queimados, centenas de imóveis destruídos e mais de 2.700 pessoas retiradas pelo mar.

A Grécia vive há duas semanas uma onda de incêndios violentos incêndios, propagados pela seca e temperaturas muito elevadas. Duas pessoas morreram e dezenas foram hospitalizadas.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.