Johnson falava no discurso de encerramento do Congresso do Partido Conservador, na cidade inglesa de Blackpool, no qual abordou a guerra entre a Rússia e a Ucrânia, defendendo que a invasão das tropas russas foi motivada pelo “medo” de Putin de acabar com um país “livre e democrático” como o seu vizinho.

“A cada dia que passa da resistência heroica da Ucrânia, fica claro que Putin cometeu um erro catastrófico… Por que decidiu invadir um país totalmente inocente?”, questionou.

O líder conservador assinalou que Putin “não acreditava realmente que a Ucrânia se juntaria tão cedo à NATO. Sabia perfeitamente que não havia planos de colocar mísseis em solo ucraniano”.

“Acho que ele tinha medo da Ucrânia, porque na Ucrânia há imprensa livre e eleições livres”, o que ameaçava a sua forma de governar o país.

Johnson classificou a invasão como “o início de uma nova era de intimidação na Europa Oriental” e considerou que o mundo está num “momento de viragem”, em que é preciso “escolher entre a liberdade e a opressão”.

“Na Rússia de Putin, é-se preso durante 15 anos apenas por chamar uma invasão de invasão. E, se protestar contra numa eleição, é-se envenenado ou baleado”, acrescentou.

Para Johnson, “é precisamente porque a Ucrânia e a Rússia têm historicamente uma relação tão próxima que ele [Putin] estava aterrorizado com o efeito do modelo ucraniano sobre si e a Rússia”.

O chefe do executivo de Londres também afirmou que “a guerra de Putin está destinada a causar prejuízos económicos ao Ocidente em próprio benefício”.

“[Putin] sabe que a cada aumento de dólar no preço do barril de petróleo lucra milhares de milhões com a venda de petróleo e gás”, acrescentou.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.