Em entrevista ao The Sunday Times, Boris Johnson apelou à China, aliada estratégica de Moscovo, e a outros países, que não se posicionaram, para se juntarem aos países ocidentais na condenação à invasão russa.

“À medida que o tempo passa e o número de atrocidades russas aumenta acho que se torna cada vez mais difícil e politicamente inconveniente para as pessoas, ativa ou passivamente, tolerar a invasão de Putin”, disse o líder britânico.

Na sua opinião, os países que não querem decidir estão agora confrontados com “dilemas consideráveis”.

“Acho que em Pequim começam a surgir dúvidas”, afirmou.

Este apelo ecoa o da Ucrânia que, no sábado, exortou a China a “condenar a barbárie russa”, após novos ataques que fizeram dezenas de mortos.

A Ucrânia e os Estados Unidos da América (EUA) estão preocupados com uma possível ajuda militar da China à Rússia ou ver Pequim a ajudar Moscovo a contornar as sanções ocidentais.

Já na sexta-feira, o presidente dos EUA, Joe Biden, advertiu o presidente chinês, Xi Jinping, sobre as “consequências” para a China de ajudar a Rússia.

No sábado, enquanto discursava numa conferência do Partido Conservador, em Blackpool, norte da Inglaterra, e onde estava o embaixador da Ucrânia em Londres, Vadym Prystaiko, Boris Johnson disse que chegou a hora de “escolher entre a liberdade e a opressão”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.