A decisão foi tomada pelo juiz Alexandre de Moraes, que também arquivou todas as reclamações da defesa contra o seu colega Luiz Edson Fachin, instrutor no Supremo dos processos relacionadas com o escândalo de corrupção descoberto na Petrobras, pelo qual foi condenado antigo presidente.

Alexandre de Moraes negou o recurso apresentado pelos advogados, que pediram ao mais alto tribunal do país a libertação de Lula da Silva até à resolução de um outro recurso pendente, que o próprio Luiz Edson Fachin mandou analisar pelo plenário do tribunal, composto por 11 juízes.

O Supremo Tribunal vai entrar em férias durante todo o mês de julho, pelo que o assunto só poderá ser retomado em agosto.

Lula da Silva foi condenado a 12 anos e um mês de prisão em janeiro, em regime fechado, por corrupção e lavagem de dinheiro, num caso relacionado com o escândalo Lava Jato, a investigação sobre casos de corrupção em várias empresas brasileiras, e encontra-se a cumprir pena desde 07 de abril, em Curitiba.

O caso envolve um apartamento de luxo na cidade brasileira do Guarujá, que terá sido dado a Lula da Silva como suborno pela construtora OAS, em troca de vantagens em contratos com a petrolífera estatal Petrobras.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.