Uma representante do Governo, Viviane Esse, disse aos jornalistas em Boa Vista, capital do estado do Amazonas localizada a cerca de 200 quilómetros a sul da fronteira, que o “processo de distribuição interna” dos imigrantes venezuelanos começará no final de agosto, sem especificar as cidades de destino.

Viviane Esse integra a comissão interministerial que visitou a cidade fronteiriça de Paracaima no sábado, onde ocorreram confrontos violentos entre a população local e os refugiados venezuelanos.

O estado brasileiro de Roraima já tinha solicitado ao Supremo Tribunal Federal (STF) o encerramento da fronteira com a Venezuela após o registo de ataques contra imigrantes venezuelanos, bem como o envio dos imigrantes venezuelanos para outros estados brasileiros.

A governadora de Roraima, Suely Campos, justificou a medida alegando que poderá evitar o “derramamento de sangue” entre brasileiros e venezuelanos.

Casos de violência em Roraima foram registados no sábado contra acampamentos de imigrantes venezuelanos na cidade de Pacaraima, no lado brasileiro da fronteira com a Venezuela, depois de um comerciante local ter sido alegadamente agredido por assaltantes.

Os habitantes de Pacaraima, cidade que conta pouco mais de 12 mil pessoas, protestaram contra a presença dos venezuelanos, expulsando-os das tendas de campismo onde dormiam e queimaram os seus objetos pessoais.

De acordo com estimativas das autoridades brasileiras, cerca de 60 mil imigrantes e refugiados venezuelanos entraram no país por Pacaraima no último ano e meio fugindo da crise política e económica na Venezuela.

Grupos numerosos de imigrantes permanecem nesta pequena cidade ou em Boa Vista, facto que gerou uma crise humanitária em Roraima, um dos estados mais pobre do Brasil.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.