“A União Europeia lamenta que não tenha havido um acordo sobre o calendário eleitoral e que o processo eleitoral não tenha garantido eleições transparentes e livres, o que exigia a participação de todos os partidos políticos em igualdade de circunstâncias e sem obstáculos”, declarou hoje um porta-voz do executivo comunitário, Carlos Martín.

O mesmo porta-voz sublinhou que a Alta Representante da UE para a Política Externa, Federica Mogherini, instou as autoridades venezuelanas a “criar as condições para eleições livres com base num calendário consensualizado e com a participação de todos os partidos”, mas “infelizmente” essas reivindicações não foram atendidas.

Assegurando que a UE vai “naturalmente” continuar a trabalhar com vista a “uma solução democrática e pacífica para esta crise”, o porta-voz da Comissão advertiu que a União Europeia “vai continuar a seguir de perto os desenvolvimentos” na Venezuela, juntamente com os seus parceiros, e não descarta “futuras ações à luz da evolução” dos acontecimentos.

De acordo com o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) da Venezuela, Nicolás Maduro venceu as eleições presidenciais antecipadas de domingo com 5.823.728 (67,7%) votos.

O opositor Henri Falcon obteve 1.820.552 votos. O pastor evangélico Javier Bertucci 925.042 e o engenheiro Reinaldo Quijada 34.6714 votos, indicou o CNE.

De acordo com o CNE, foram registados 8.603.936 votos válidos, que correspondem a uma participação de 46% dos 20.527.571 eleitores.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.