A moratória vai permitir a pena de morte não seja aplicada, pelo menos, até 2023, ano em que termina o mandato do governador, que tomou posse no início de janeiro deste ano.

Newsom, do Partido Democrata, tem sido um forte opositor da aplicação da pena de morte.

"A pena de morte discrimina em função da cor da pele ou a quantidade de dinheiro que se tem", disse o político à imprensa, acrescentando que "é ineficaz, irreversível e imoral".

"É contrária aos valores que defendemos, por isso a Califórnia quer pôr um fim a este sistema", declarou o governante.

Donald Trump criticou a decisão do governador californiano numa publicação na rede social Twitter, dizendo que Newsom está a desafiar a vontade dos eleitores e que os familiares e amigos das "sempre esquecidas vítimas não estão satisfeitos" com a ideia. "E eu também não", conclui o Presidente dos Estados Unidos.

Apesar de as estatísticas apontarem para que os californianos são a favor da prisão perpétua, em vez da execução dos condenados, duas propostas para abolir a pena de morte foram rejeitadas nas urnas em 2012 e 2106.

Na última votação foi aprovada uma proposta a favor da aplicação de procedimentos mais acelerados e indolores. Essa medida está a ser analisada pelo Supremo Tribunal da Califórnia.

Em quatro décadas, 13 pessoas foram executadas na Califórnia, a última em 2006. Dos 737 presos no corredor da morte no estado, 25 já esgotaram todos os recursos possíveis.

"As pessoas não serão libertadas por esta medida. Continuarão a prestar contas" à sociedade, esclareceu o governador.

"Não queremos unir-nos à Arábia Saudita... Coreia do Norte. Não queremos ser parte do que está a acontecer no Irão, no Iraque, na China, na Somália, no Paquistão e no Egito", apontou.

De acordo com o Newsom, "esses são os países, esses últimos cinco, que ao lado dos Estados Unidos têm o maior número de execuções de seus próprios cidadãos".

Gavin Newsom afirmou que o objetivo é abolir a pena de morte de forma definitiva.

O governador não tem poderes para terminar com a pena de morte, mas pode comutar uma sentença de morte para uma sentença de prisão perpétua.

O político democrata ordenou também o fim do protocolo de injeção letal e disse que, enquanto falava com a imprensa, a sala de execuções na famosa prisão de San Quentin estava a ser desmantelada.

De acordo com a organização Human Rights Watch (HRW), com esta moratória, a Califórnia segue uma tendência que está a crescer e une-se assim aos estados do Colorado, Oregon e Pensilvânia, que impuseram proibições semelhantes. Outros 20 estados que já aboliram definitivamente a pena de capital.

Também a aplicação da pena de morte nos Estados Unidos está a cair, com 25 execuções em 2018 contra 98 em 1999. Este ano, já foram executados em todo o país três condenados.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.