A proposta pretendia que o município mantivesse "uma posição intransigente de defesa conjunta da ligação rodoviária por autoestrada entre Coimbra e Viseu" e concordasse com "a necessidade premente de obras imediatas de requalificação do IP3", que foram anunciadas no início de julho.

"De todos os itinerários principais com elevado volume de tráfego, o IP3 será certamente o único que não foi substituído por uma autoestrada", refere o documento, acrescentando que o alargamento do perfil da via para duas vias em 85% da sua extensão vai manter "todas as suas patologias e limitações".

O vice-presidente do município, Carlos Cidade, criticou a proposta conjunta por "aparecer num momento em que um Governo, ao fim de muitos anos, consegue concretizar um consenso à volta da obra que se propõe a realizar".

"Há um consenso estabelecido com os municípios servidos. Agora é deitar mãos à obra, nós queremos é obra", enfatizou o autarca, numa posição que também foi defendida pelo vereador da CDU, Francisco Queirós.

O autarca comunista considerou que é preciso intervir na "estrada da morte" e que o projeto do Governo de requalificação "é uma proposta positiva que pode vir a melhor significativamente a circulação e a reduzir a sinistralidade".

"Ontem já era tarde. Faça-se rapidamente a requalificação do IP3, entre Coimbra e Viseu", sublinhou.

Para a vereadora Ana Bastos, do movimento Somos Coimbra, a requalificação do IP3 como está prevista vai manter os bloqueios e não é uma "solução defensável".

"Isto é enterrar a cabeça na areia, é enganar quem quer ser enganado. Não faz sentido nenhum apanhar a autoestrada na Figueira da Foz para Vila Real e chegar a Coimbra e passar a circular num traçado, que não é autoestrada", frisou a autarca, para quem a requalificação do IP3 deveria avançar juntamente com uma "verdadeira ligação em perfil de autoestrada" até Viseu.

A proposta foi chumbada com quatro votos contra do PS e um da CDU e três a favor (dois do movimento Somos Coimbra e um da coligação Mais Coimbra), numa votação que não contou com a presença do presidente da Câmara e de um vereador da coligação Mais Coimbra. Registou-se ainda uma abstenção da coligação Mais Coimbra, uma das forças políticas subscritoras do documento.

O primeiro-ministro lançou no dia 2 de julho os concursos para as obras de requalificação do itinerário principal, IP3, que liga Coimbra a Viseu, e reforçou que estas empreitadas são "muito mais do que uma obra de ligação".

As obras, previstas para 2019, num investimento de 134 milhões de euros, vão incidir sobre os 75 quilómetros do IP3 e transformar 85% da estrada em perfil de autoestrada, sem portagens e com duas faixas.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.