“Desde as 00:00 de hoje, Portugal regista já um total de 104 ocorrências de incêndios florestais. Destas 104, as nossas atenções centram-se para três ocorrências que eu destacaria: Sertã, no distrito de Castelo Branco, Vale de Coelheiros, também no distrito de Castelo Branco, e a ocorrência de Mantela (Mação) já no distrito de Santarém. Estas são aquelas ocorrências que concentram neste momento uma maior atenção”, explicou a adjunta de operações da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) Patrícia Gaspar, pelas 19:00.

O grande desafio, de acordo com a ANPC, tem sido encontrar o equilíbrio entre o combate direto às chamas e, ao mesmo tempo, assegurar a proteção da população e dos seus bens, face às chamas.

“É importante referir que todas estas operações, sobretudo nestes três teatros de operações, o grande desafio que temos tido é, de facto, conseguir criar aqui um equilíbrio entre aquilo que é o combate direto às diferentes frentes de incêndio e, em simultâneo, conseguir garantir toda a proteção necessária às localidades, às povoações que se localizam nas linhas de propagação deste incêndio, garantindo assim a devida proteção, quer às pessoas, a nossa grande prioridade, quer também às suas habitações”, frisou Patrícia Gaspar.

Questionada pelos jornalistas durante o briefing diário operacional sobre quantas aldeias do concelho de Mação é que tiveram de ser evacuadas, a adjunta nacional da Proteção Civil disse que, neste momento, não consegue contabilizar o total destas aldeias, salientando que chegará o momento para se apurar o número de pessoas afetadas por este incêndio.

“Aquilo que se tem conseguido fazer, e o nosso grande objetivo tem sido atuar precocemente, preventivamente, ou seja: identificar quais são as aldeias que se encontram na linha de propagação de incêndio, mobilizar para estes locais, meios de resposta (…), preventivamente, para garantir o apoio a estas evacuações, quando são necessárias”, relatou Patrícia Gaspar.

A adjunta de operações da ANPC explicou que a área do concelho de Mação é um setor “de um grande incêndio que é o da Sertã”, garantindo que estão alocados no combate às chamas todos os meios disponíveis e que os mesmos estão a ser geridos de “forma integrada”, respondendo assim ao autarca local, Vasco Estrela, que criticou a disposição dos meios no terreno.

“Os meios são bastantes: neste incêndio da Sertã temos 1.045 operacionais, apoiados por 329 meios terrestres, chegaram a estar hoje cerca de 12 meios aéreos no teatro de operações, tivemos onze máquinas de arrasto, vários grupos de reforço. Tudo está a ser feito, todos os meios que estão ao nosso alcance estão localizados neste incêndio”, vincou Patrícia Gaspar.

Esta responsável da ANPC sublinhou que o vento forte, às vezes “com rajadas de 65/70 quilómetros hora” tem sido um fator que tem provocado “inúmeras projeções, novos focos de incêndio e reativações em zonas que já estavam dominadas”.

Patrícia Gaspar disse ainda que foram deslocalizadas duas estações móveis para a zona da Sertã para garantir a resolução de qualquer problema que possa eventualmente acontecer com o Sistema Integrado das Redes de Emergência e Segurança em Portugal (SIRESP), salientado, no entanto, que as comunicações hoje “estiveram perfeitamente estabilizadas”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.