Num debate sobre a guerra na Ucrânia, Catarina Martins acrescentou que a União Europeia se deve disponibilizar para mediar a preparação daquela conferência, sob a égide das Nações Unidas.

“Os países europeus não podem ficar à espera do que decidam os Estados Unidos [da América] ou a China e devem assumir também a responsabilidade primeira da construção de caminhos de paz para a Europa. Perante o horror da guerra e do drama de quem dela foge, a União Europeia tem de agir”, defendeu.

Segundo Catarina Martins, é possível melhorar o caminho que tem sido seguido até agora e que se tem centrado na proteção de quem foge da guerra, no apoio a quem resiste à invasão e aos refugiados e na imposição de sanções económicas à Rússia e à “oligarquia que apoia Putin”.

“Este é um caminho certo, mas que pode ser melhorado”, vincou, reiterando a importância da realização de uma conferência da paz.

Segundo Catarina Martins, a União Europeia deve promover essa conferência e o Governo português “pode propô-la”.

“Uma conferência da paz é o caminho para parar a guerra agora e alcançar a paz de uma forma duradoura. Um caminho a que nenhum país deve faltar”, disse ainda.

Para a coordenadora do Bloco, o prolongamento da guerra “terá sempre um resultado desastroso na Europa e no mundo”.

“Tanto a devastação da Ucrânia como o colapso da Rússia, uma potência económica e nuclear de dimensão continental, são risco máximos que não podemos aceitar”, alertou.

Catarina Martins defendeu que a política do “fogo contra fogo” só interessa a quem vive do negócio da guerra.

“Poupar vidas para os que ganham com a guerra nunca é assunto. Para quem vive do negócio da guerra, a paz nunca é uma opção”, sublinhou.

No entanto, avisou, “nunca a paz chegou a um território com mais armas do que pão”.

“É preciso um compromisso forte com a paz”, defendeu.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já causou pelo menos 564 mortos e mais de 982 feridos entre a população civil e provocou a fuga de cerca de 4,5 milhões de pessoas, entre as quais 2,5 milhões para os países vizinhos, segundo os mais recentes dados da ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas a Moscovo.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.