O desafio foi feito por Assunção Cristas numa conferência de imprensa na Assembleia da República, em Lisboa, que coincidiu com a reunião extraordinária do Governo convocada depois de o parlamento ter aprovado, na quinta-feira, a contabilização total do tempo de serviço dos professores.

A líder centrista acusou o Governo de “montar uma fantochada para se vitimizar”, “encena um golpe” e faz “uma farsa” dado que o que foi aprovado pela comissão parlamentar “não acrescenta um cêntimo” de despesa este ano.

“Não há qualquer impacto orçamental enquanto não houver negociações” com os sindicatos dos professores, disse a presidente dos centristas, garantindo que o “único compromisso” assumido pelo CDS “é a negociação” no futuro.

Para tentar contrariar a tese do que diz ser dramatização dos socialistas, a líder do CDS insistiu que, quanto ao pagamento do tempo de congelamento de carreiras, Cristas lembrou que o partido recusou todas as propostas com calendários e “compromissos de método”

E “o que foi aprovado não aumenta um cêntimo que seja o encargo para o orçamento” e o executivo tem “agora o que tinha no orçamento”, ou seja, “um mandato para negociar”.

Dado que as propostas quanto ao decreto foram aprovadas na quinta-feira também pelos dois partidos, PCP e BE, que apoiam o Governo minoritário do PS, Cristas desafiou o Governo.

“Se o Governo sente que perdeu o seu apoio parlamentar”, então “apresente uma moção de confiança” na Assembleia da República, que, a ser aprovada, ditaria a queda do executivo.

“Se quer eleições assuma-o e não arranje desculpas”, afirmou ainda, ao mesmo tempo que garantiu que o seu partido está “sempre” preparado “para eleições”.

Os centristas recusam qualquer acusação de irresponsabilidade quanto ao custo destas medidas, afirmando Cristas que o que é proposto é que a negociação para o pagamento tenha em conta “o crescimento económico, a revisão da carreira dos professores, a avaliação dos professores e a aposentação”.

Assunção Cristas recordou ainda que os primeiros congelamentos das carreiras foram decididos ainda durante os governo do PS de José Sócrates, em 2005 e 2011.

A Assembleia da República aprovou na quinta-feira uma alteração ao decreto do Governo, com os votos contra do PS e o apoio de todas as outras forças políticas, estipulando que o tempo de serviço a recuperar são os nove anos, quatro meses e dois dias reivindicados pelos sindicatos docentes.

Não ficou estabelecido qualquer calendário de recuperação do tempo de serviço, rejeitando as propostas do PCP e Bloco de Esquerda nesse sentido, mas foi aprovado, ainda assim, que os dois anos, nove meses e 18 dias devem ser recuperados com efeitos a janeiro de 2019.

(Notícia atualizada às 12:19)

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.