“O CDS vai apresentar uma proposta própria para tipificar penalmente o enriquecimento ilícito, que dê todas as garantias de cumprimento da legalidade para que não esbarre no Tribunal Constitucional, e para que a decência e os valores éticos e morais dos governantes não prescrevam e que haja uma maior transparência no exercício de funções públicas que devolva alguma credibilidade e dignidade à função política mas também algum crédito às nossa instituições de justiça”, anunciou Francisco Rodrigues dos Santos.

O líder do CDS-PP fez este anúncio após ser questionado sobre o apelo do Presidente da República para que se encontre o meio adequado para criminalizar o enriquecimento injustificado, à margem de uma visita a duas esquadras da PSP no concelho de Odivelas.

Na segunda-feira, Marcelo Rebelo de Sousa defendeu que este passo já devia ter sido dado e que "há vários caminhos" para o fazer respeitando a Constituição.

Hoje, o presidente democrata-cristão não quis detalhar a proposta, ressalvando que ainda está a ser elaborada, mas previu que a sua apresentação possa decorrer “à partida na próxima semana”.

“Mas será um conjunto de medidas que terão como destinatários o poder político, o poder judicial e também o próprio funcionamento do nosso sistema democrático que privilegiará os valores da transparência e éticos e morais que devem acompanhar todos aqueles que têm funções de alta responsabilidade no Estado”, indicou.

Francisco Rodrigues dos Santos destacou que, "para o CDS, todas as oportunidades são boas para se combater a corrupção e se pugnar por maior transparência ética e moral no exercício de funções públicas" e disse que não quer “passar a um tempo” em que há “políticos presos quando há 50 anos” existiam “presos políticos”.

“Portanto, este papel de credibilização das instituições de justiça com normas também dirigidas aos magistrados, procurando também impender sobre os titulares de cargos públicos um crivo mais apertado ao nível da transparência e da fiscalização dos seus rendimentos parece-me fundamental para que Portugal seja um país que cultiva um clima de confiança em todas as nossas instituições democráticas”, defendeu.

O líder democrata-cristão considerou igualmente que os entendimentos entre os partidos "são fundamentais" para que estas propostas "vejam a luz do dia, porque de boas intenções está o inferno cheio e de proclamações e de anúncios estão os portugueses cansados".

"Da parte do CDS será certamente possível, se há outros partidos que se vão proteger entre si para manterem uma cultura de protecionismo, de interesses e não de luta por valores, então esse não é o campeonato do CDS", frisou.

(Notícia atualizada às 15:17)

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.