A meio-soprano, que já atuou várias vezes em Portugal em óperas e recitais, é conhecida pelos seus papéis em obras de Mozart e Rossini, além de interpretações no canto barroco, que tem investigado e revelado, ao longo das duas últimas décadas.

De acordo com o comunicado oficial, Jean-Louis Grinda irá manter-se no cargo até 31 de dezembro de 2022.

Cecília Bartoli ficará a liderar duas instituições líricas, já que dirige, atualmente, e até 2026, o Festival de Pentecostes de Salzburgo, dedicado à música barroca.

Em março deste ano, Jean-Louis Grinda tinha anunciado que pretendia sair da instituição monegasca que ocupa desde julho 2007, justificando que havia necessidade de “alguém com novas ideias” para a ópera do principado.

O diretor artístico consultou Cecilia Bartoli, que tem, desde 2016, uma ligação ao principado, por ter liderado o agrupamento Músicos do Príncipe.

Cecília Bartoli será a primeira mulher a liderar a ópera de Monte Carlo.

Na conferência de imprensa de anúncio da transferência do cargo, a cantora lírica disse que aceitava “com grande honra e enorme sentido de responsabilidade”, a liderança da instituição monegasca.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.