Em declarações no Palácio Presidencial, na cidade da Praia, após ter sido recebido pelo chefe de Estado cabo-verdiano, Jorge Carlos Fonseca, o Presidente português explicou que a antecipação da entrega das vacinas por Portugal, concretizada na sexta-feira, resultou do primeiro contacto entre ambos, há uma semana.

“E chegaram as vacinas e chegou esta nova equipa dupla portuguesa [médica] e nisto houve uma convergência que demonstra o grau excelente das relações entre os dois países, mas também o empenho excecional do Presidente Jorge Fonseca (…) Primeiro mandou-me uma mensagem escrita (SMS), depois falámos telefonicamente e foi possível numa semana pôr de pé o contributo”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, que está de visita, esta tarde, a Cabo Verde.

Além das 24.000 doses de vacinas da AstraZeneca cedidas por Portugal, devido à situação pandémica em Cabo Verde, que tem enfrentado máximos de novos infetados e mortos por covid-19 desde abril, duas equipas médicas chegaram no domingo ao arquipélago para reforçar o apoio nos hospitais.

Marcelo Rebelo de Sousa explicou neste processo contou com a “reação imediata” do Governo e que “mais apoios haverá no futuro” por parte de Portugal.

Igualmente em declarações aos jornalistas, o Presidente cabo-verdiano, Jorge Carlos Fonseca, reconheceu que a cedência das vacinas representou um gesto “de muita amizade e muita fraternidade” por parte de Portugal, que começou com um contacto direto para o homólogo português.

“Realmente demos uma contribuição, um empurrãozinho, através de mensagem escrita e depois uma conversa, dada a situação, circunstancial, esperamos, de aumento do número de casos de infeções de covid-19 em Cabo Verde. E muito rapidamente, em poucos dias, nós recebemos as vacinas e o apoio do reforço das equipas médicas portuguesas”, disse ainda.

“Isto só é possível acontecer deste modo num relacionamento entre dois países que são verdadeiramente países que lidam um com o outro com base na fraternidade, na amizade e na cumplicidade”, destacou Jorge Carlos Fonseca.

Portugal anunciou em abril o compromisso de disponibilizar aos países africanos de língua portuguesa (PALOP) e Timor-Leste 5% de vacinas contra a covid-19 que adquirisse, tendo antecipado a entrega a Cabo Verde.

Cabo Verde já vacinou cerca de 15.900 pessoas com pelo menos a primeira dose das vacinas da Pfizer e da AstraZeneca, das quais 94% são profissionais de saúde, e esperava receber ainda este mês vacinas de Portugal, anunciou em 03 de maio o diretor nacional de Saúde, Jorge Noel Barreto.

O Governo assumiu a meta de imunizar 70% da população até final do ano.

Cabo Verde recebeu 24.000 doses da vacina contra a covid-19 da AstraZeneca em 12 de março e 5.850 da Pfizer dois dias depois, no âmbito da iniciativa Covax, do plano de vacinação nacional iniciado em 19 de março, e espera ainda a entrega de mais 80.000 doses.

Cabo Verde regista um total de 28.168 casos e 249 mortos por covid-19.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.381.042 mortos no mundo, resultantes de mais de 162,9 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 17.009 pessoas dos 842.381 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.