Em nota citada pela Ecclesia é referido que a Conferência Episcopal Portuguesa "decidiu que as celebrações da Eucaristia com a presença da assembleia sejam retomadas a partir do dia 15 de março".

Contudo, considerando o tempo de Quaresma e a pandemia que se vive, é pedido que as procissões e outras expressões da piedade popular  — como "visitas pascais" ou "saída simbólica" de cruzes  — continuem suspensas, de forma a evitar "riscos para a saúde pública".

Os bispos definiram ainda que, na celebração de outros sacramentos, devem ser observadas "as normas de segurança e de saúde" referidas nas orientações divulgadas a 8 de maio de 2020.

Quanto à vivência da Semana Santa, a CEP lembrou que o Vaticano disponibilizou também um conjunto de orientações para que as celebrações possam acontecer em segurança em contexto de pandemia, considerando "mudanças na forma habitual de celebrar a Liturgia".

Desta forma, os bispos deixam algumas indicações práticas para essas celebrações, do Domingo de Ramos à Páscoa:

  • Domingo de Ramos
    • Devem ser evitados os ajuntamentos de fiéis;
    • Os ministros e os fiéis podem ter nas mãos o ramo de oliveira ou a palma, mas não pode haver trocas de ramos.
  • Missa Crismal
    • Se não for possível "uma representação significativa de pastores, ministros e fiéis", o Bispo diocesano deve avaliar a possibilidade de transferi-la para outro dia, de preferência dentro do Tempo Pascal.
  • Quinta-feira Santa
    • Na missa vespertina da Ceia do Senhor deve omitir-se o lava-pés;
    • No final da celebração, o Santíssimo Sacramento poderá ser levado, como se previsto, para o lugar da reposição numa capela da igreja onde se possa fazer a adoração, respeitando as normas da pandemia.
  • Sexta-feira Santa
    • O ato de adoração da Cruz com um beijo deve ser limitado só ao presidente da celebração.
  • Páscoa
    • A Vigília Pascal poderá ser celebrada em todas as suas partes, tal como previsto pelo rito.

A Conferência Episcopal volta a reunir para Assembleia Plenária entre os dias 12 a 15 de abril, pelo que vai reavaliar as orientações para as celebrações, "tendo em conta a situação de pandemia do país".

Recorde-se que a Conferência Episcopal Portuguesa determinou a suspensão das celebrações públicas de serviços religiosos, desde 23 de janeiro, na sequência do agravamento da pandemia de covid-19 no país. Já no confinamento da primavera passada a CEP suspendeu as missas, catequese e outros atos de culto presenciais.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.