O alerta de Jean Gough surge um mês depois de um sismo de magnitude 7,2 na escala de Richter ter abalado o sudeste do Haiti.

“As vidas das crianças e dos adolescentes salvos do terramoto estão agora ameaças por doenças evitáveis, porque não tem acesso a água potável e a serviços básicos de saúde”, disse a dirigente da Unicef.

O sismo de 14 de agosto que abalou o território haitiano provocou mais de 2.200 mortos e pelos menos 12.200 feridos e destruiu cerca de 130 mil habitações, de acordo com o organismo das Nações Unidas.

A alta funcionária do Fundo das Nações Unidas para a Infância — ou Unicef — explicou que, um mês após o sismo, “os serviços de saúde continuam suspensos no sudoeste do Haiti”, onde cerca de 82 centros hospitalares ficaram danificados ou destruídos.

A capacidade de assistência hospitalar limitada apresenta elevados riscos para a saúde, como a infeção de feridas e risco de tétano.

A falta de serviços de saúde de rotina aumentou o risco de mortes em maternidades e neonatais.

Além disso, a capacidade das autoridades de saúde em prevenir, identificar e tratar a desnutrição também ficou enfraquecida com o terramoto.

“Manter o acesso à assistência que salva vidas e retomar os serviços de saúde materno-infantil é uma prioridade crítica da resposta da Unicef, incluindo o tratamento de crianças e adolescentes com desnutrição aguda”, acrescentou.

A Unicef solicitou 73,3 milhões de dólares (cerca de 62 milhões de euros) para responder às necessidades humanitárias, após o sismo, centrando-se em facultar apoio urgente em matéria de saúde, educação, água, saneamento, nutrição e proteção infantil, incluindo a violência de género, durante os próximos seis meses.

Até ao momento, recebeu menos de 11% do valor pretendido, precisou o organismo.

O Haiti, que já é um dos países mais pobres do mundo, com 60% da população abaixo do limiar da pobreza, situa-se numa zona sísmica.

O anterior terramoto, ocorrido em 2010, fez mais de 200.000 mortos e devastou a economia do país.

O sismo de 14 de agosto, com epicentro na península sul da ilha, causou a morte de mais de 2.200 pessoas.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.