Em risco máximo estão cerca de uma centena de concelhos dos distritos de Faro, Santarém, Leiria, Portalegre, Castelo Branco, Guarda, Aveiro, Viseu, Coimbra, Porto, Braga, Viana do Castelo, Vila Real e Bragança.

O IPMA colocou também em risco muito elevado e elevado de incêndio quase todos os concelhos de todos os distritos (18) de Portugal continental.

Segundo o IPMA, pelo menos até ao fim de semana vai manter-se o risco de incêndio máximo e muito elevado em muitos concelhos do continente por causa do tempo quente.

O que fazer para ter um verão seguro

Portugal encontra-se no período crítico de incêndios rurais, que decorre entre os dias 1 de julho e 30 de setembro.

Durante esta fase, importa redobrar as atenções quanto aos riscos. Estas são algumas das recomendações de prevenção:

  • Consulte o risco de incêndio da sua área de residência aqui.
  • Prepare um kit de evacuação onde constem artigos essenciais a utilizar em caso de emergência, como os documentos mais importantes do agregado familiar, estojo de primeiros socorros, medicação habitual e água e comida não perecível, entre outras coisas
  • Se notar a presença de pessoas com comportamentos de risco, informe as autoridades;
  • Informe-se junto da sua Junta de Freguesia ou Câmara Municipal quanto à localização dos abrigos.

Em caso de incêndio, siga estes passos:

  • Ligue de imediato para o 112;
  • Se não correr perigo e possuir vestuário adequado (tipicamente roupa de manga comprida, botas e luvas), tente extingui-lo com pás, enxadas ou ramos;
  • Se o incêndio estiver perto da sua casa, avise os vizinhos, corte o gás e molhe abundantemente as paredes e os arbustos que rodeiam a casa.
  • Retire a sua viatura dos caminhos de acesso ao incêndio;
  • Consulte a lista completa de recomendações, aqui.

Proibições:

Durante o período crítico estão em vigor várias proibições para minimizar o risco de incêndio. Entre elas constam:

  • Queimadas sem autorização municipal;
  • Utilização de fogareiros e grelhadores fora de espaços autorizados;
  • Fumar ou fazer lume em espaços florestais;
  • Lançar balões de mecha acesa e foguetes;
  • Veja a lista completa, aqui.

Contactos:

  • Linha de Emergência: 112
  • Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil: 800 246 246
  • GNR Trânsito: 808 201 855
  • Infraestruturas de Portugal: 707 500 501
  • Linha SOS Ambiente e Território: 808 200 520

O risco de incêndio determinado pelo IPMA tem cinco níveis, que vão de reduzido a máximo.

Os cálculos são obtidos a partir da temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

Na sequência do tempo quente, a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) alertou na segunda-feira para o aumento do risco de incêndios rurais, em especial nas regiões do sul e do interior norte e centro, devido ao vento e subida da temperatura previstos para os próximos dias.

Num aviso à população, a ANEPC destaca um "aumento das condições favoráveis à eventual ocorrência e propagação de incêndios rurais", em especial nas regiões do Sul e do interior centro e norte.

Fonte da Proteção Civil avançou à Lusa que o distrito de Santarém vai estar hoje em estado de alerta especial laranja, o segundo mais grave de uma escala de quatro, devido ao perigo de incêndio rural.

Os distritos de Aveiro, Braga, Bragança Coimbra, Leiria, Lisboa, Porto, Setúbal, Viana do Castelo, Vila Real e Viseu, vão estar, no mesmo período, em estado de alerta especial amarelo.

O IPMA prevê a continuação de tempo quente, com uma subida gradual pelo menos até sexta-feira.

Durante esta semana a temperatura máxima deverá variar entre 30 e 35 graus Celsius no litoral, devendo atingir valores entre 35 e 40 graus nas regiões do interior.

Também a temperatura mínima apresenta tendência para uma subida gradual, com valores que deverão ser superiores a 20 graus em grande parte do território continental, em especial no interior e no sotavento algarvio, e que são classificadas como noites tropicais.

De acordo com o IPMA, os valores de temperatura estão acima do habitual para a época do ano e esta persistência poderá levar a uma situação de onda de calor em diversos locais do país, em especial no interior.

Na origem do tempo quente está um “anticiclone localizado a nordeste dos Açores, que se estende em crista até ao Golfo da Biscaia, em conjunto com um vale depressionário desde o norte de África até à Península Ibérica, origina o transporte de uma massa de ar quente do norte de África a qual será responsável pela persistência de valores elevados de temperatura ao longo da semana”.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.