Entre as conclusões do encontro, a importância da acessibilidade foi uma das mais destacadas, como disse à agência Lusa o presidente da Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicleta (FPCUB), José Caetano.

“O congresso procurou focalizar-se na acessibilidade além da mobilidade e foram dados alguns exemplos que estão em curso em cidades portuguesas e espanholas. As infraestruturas cicláveis e equipamentos coletivos de transporte têm de ser parte da equação da acessibilidade do território”, defendeu.

A inadequação de algumas ciclovias foi outra das questões levantadas durante este congresso, pois, segundo José Caetano, são projetadas por “técnicos bem-intencionados”, mas têm uma “ineficiente preparação e execução”.

A falta de atualização do Regulamento de Sinalização de Trânsito foi outro dos temas abordados, o que, segundo o responsável da FPCUB, impede que se implementem zonas de coexistência, zonas 30 ou uma rede ciclável “melhor sinalizada”.

A iniciativa, que decorreu desde quinta-feira, foi promovida pela Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicleta (FPCUB) e pela sua congénere espanhola CONBICI, com o apoio da Câmara Municipal de Cascais.

O 17.º Congresso Ibérico “A Bicicleta e a Cidade” vai realizar-se na cidade de Barcelona, em Espanha, em outubro de 2020.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.