Essa pausa nos exercícios militares de Washington e Seul foi uma tentativa de persuadir Pyongyang a refrear o seu programa nuclear. Contudo, as reuniões entre Kim e Trump terminaram sem resultados.

Agora, tem sido a irmã do líder norte-coreano, Kim Yo Jong, a rejeitar qualquer acordo apesar das promessas de ajuda económica do seu vizinho do sul.

Os exercícios, conhecidos como “Ulchi Freedom Shield”, deverão envolver milhares de militares e vão prolongar-se durante as próximas duas semanas, até 1 de setembro.

Tanto o Presidente dos EUA, Joe Biden, como o seu homólogo sul-coreano, Yoon Suk Yeol, disseram que os exercícios são essenciais para preparar qualquer hipotética provocação de Pyongyang.

Dado o contexto, é provável que a Coreia do Norte critique os exercícios como uma tentativa de Washington e Seul de prelúdio de uma invasão ou ataque militar.

Nas últimas semanas, a Coreia do Norte intensificou a sua retórica de guerra nuclear, lançando dois mísseis de cruzeiro no Mar Amarelo há alguns dias.

Foi o quarto lançamento desde que o novo Presidente da Coreia do Sul tomou posse em maio e se comprometeu a restabelecer os simulacros conjuntos de grande escala com o seu parceiro norte-americano.

Os EUA ainda têm cerca de 28.500 soldados na Coreia do Sul.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.