O Congresso Nacional sobre Alterações Climáticas prolonga-se por três dias, na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) e visa discutir temas atuais como os impactos nos fogos florestais.

A organização envolve uma equipa multidisciplinar da UTAD, que integra estudantes e professores de Biologia e Geologia, Genética e Biotecnologia, Arquitetura Paisagista e Engenharia do Ambiente, e conta com a colaboração da Ordem dos Biólogos.

A academia transmontana salientou, em comunicado, que “são vários os mitos e os tabus que rodeiam o diálogo acerca das alterações climáticas" e que este evento "pretende diagnosticar, elucidar e discutir aspetos essenciais de uma problemática que afeta a todos”.

Em debate vão estar temáticas de “grande pertinência e inquietação” em países como Portugal, que vão desde “os impactos das alterações climáticas nos fogos florestais e nos sistemas agroflorestais, à previsão de tendências ecológicas em cenários de alterações climáticas, incidências nos extremos hidrológicos em bacias florestais”.

Serão ainda discutidas estratégias de “resiliência das cidades às alterações climáticas e impactos na biodiversidade nos serviços dos ecossistemas”.

O evento conta com a participação de especialistas de vários centros de investigação e das universidades do Porto, de Lisboa, Aveiro e UTAD.

Entre os vários especialistas convidados estão Carlos Borrego, ex-ministro do Ambiente e Recursos Naturais, e Filipe Duarte Santos, presidente do Conselho Nacional do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável.

O congresso tem como destinatários estudantes do ensino superior e secundário, investigadores, docentes, técnicos, auxiliares e público em geral.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.