A Comissão de Veneza diz que a reforma constitucional que entrou em vigor em dezembro “não deve ser usada como uma oportunidade para revogar as leis existentes sobre a proteção de pessoas que não são heterossexuais ou para alterar estas leis contra elas”.

O Governo da Hungria adotou uma emenda à Constituição, que inclui disposições sobre casamento e família, orientação sexual, identidade de género e educação das crianças.

A reforma também aborda a controversa questão das fundações que exercem missões de interesse público, e em particular o financiamento das universidades, bem como a suspensão dos direitos ou liberdades em situações excecionais como a guerra ou o estado de emergência.

A disposição legal estipula ainda que apenas os casais casados podem adotar filhos, embora também preveja, como exceção, a possibilidade de pessoas solteiras o fazerem, desde que tenham a aprovação do ministro dos Assuntos de Família.

Sobre este ponto, a Comissão de Veneza solicita às autoridades que “estabelecem critérios claros para limitar o novo poder discricionário do ministro”.

O órgão do Conselho da Europa apela à inclusão de todos os cidadãos, com a garantia que não exista discriminação com base na orientação sexual e na identidade de género, visto que a Constituição húngara não reconhece legalmente cidadãos transgénero e intersexo.

O Conselho da Europa apela à revogação da alteração que estabelece que “a Hungria protegerá o direito das crianças a uma identidade correspondente ao seu sexo à nascença” e para garantir o direito das pessoas transgénero à sua identidade.

Quanto ao impacto da emenda constitucional no sistema educativo, a Comissão de Veneza adverte que “corre o risco de ameaçar a liberdade académica e de enfraquecer a sua autonomia.

O órgão europeu critica ainda a aprovação “acelerada durante o estado de emergência” da reforma constitucional, um processo que “não está em conformidade com as recomendações” da Comissão de Veneza.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.