Numa publicação no ‘site’ da Universidade do Porto, o gabinete de comunicação da UPTEC avança que a empresa de base tecnológica em fase de desenvolvimento Bioprospectum identificou dois péptidos [biomoléculas] provenientes da rã-verde ibérica, encontrada nos Açores, com potencial atividade antiviral e que podem “neutralizar partes estruturais do SARS-CoV-2”.

As primeiras moléculas “anti-covid” identificadas pela 'startup' e 'spin-off' do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S) da Universidade do Porto vão ser testadas ‘in vitro', em colaboração com Instituto de Investigação do Medicamento da Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa, durante este mês.

Segundo a UPTEC, a Bioprospectum tem vindo a criar um banco de moléculas da biodiversidade Ibero-Americana com o intuito de “aumentar a eficácia e eficiência da prospeção de moléculas potencialmente uteis em qualquer amostra”.

Nos últimos anos, a ‘startup’ tem desenvolvido plataformas para identificar moléculas com potenciais aplicações antioxidantes, antimicrobianas, anti-inflamatórias e anticancerígenas, de como é exemplo a plataforma ‘in silico’ que permite selecionar de uma amostra as substâncias "mais apropriadas para determinado fim".

Citado na publicação, José Leite, copromotor do projeto, adianta que a “identificação de moléculas com atividade farmacológica pode demorar anos de trabalho, se for feita com métodos clássicos”.

“O grande diferencial de aliar a bioprospeção com inteligência artificial é que os primeiros resultados podem ser gerados em meses”, afirma.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.