Em comunicado, a FPCEUP adianta hoje que o estudo visava “avaliar a saúde psicológica e as redes de apoio social” de jovens LGBT+ (lésbicas, gays, bissexuais, transgénero e outras minorias sexuais e de género) que vivem com os pais durante a pandemia da covid-19.

Os resultados agora apresentados representam a “primeira fase do estudo”, que durante o Estado de Emergência decretado em Portugal inquiriu 632 pessoas LGBT+, com idades entre os 16 e 35 anos.

Segundo o estudo, a maior parte dos participantes vive habitualmente com os pais e “dadas as circunstâncias” um em cada cinco regressou às mesmas.

Dos inquiridos, 59% afirmaram estar desconfortáveis no seio familiar e três em cada 10 sentiram-se “bastante desconfortáveis” a viver em casa dos pais durante o confinamento social.

Além disso, 35% dos jovens sentiram-se “sufocados” por não poder expressar a sua identidade no seio familiar, sendo que no caso dos jovens cuja família tinha conhecimento da sua identidade, 35% afirmaram que as mesmas “lidam mal ou muito mal” com isso.

Este estudo, com caráter longitudinal e intercultural, concluiu ainda que seis em cada 10 participantes consideraram que a pandemia afetou “bastante” a sua vida.

No que concerne às redes de apoio social, metade dos jovens admitiram sentir-se isolados dos seus amigos e 35% “extremamente isolados” do namorado ou namorada.

“Quanto ao presente estudo, se para alguns e algumas jovens a pandemia da covid-19 não teve impacto nas suas redes de apoio social, uma proporção importante sentiu-se bastante isolada dos seus amigos”, refere a FPCEUP.

Apesar destes resultados serem “preliminares”, o estudo recomenda que “os serviços de apoio, abrigos e demais redes de apoio social permaneçam particularmente atentos e disponíveis durante este período para atender às necessidades dos jovens LGBT+”.

O próximo passo da equipa de investigadores será aprofundar em que medida estas circunstâncias afetam a curto, médio e longo prazo a saúde psicológica destes jovens.

Portugal contabiliza 1.231 mortos associados à covid-19 em 29.209 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia.

Portugal entrou no dia 03 de maio em situação de calamidade devido à pandemia, depois de três períodos consecutivos em estado de emergência desde 19 de março.

Esta nova fase de combate à covid-19 prevê o confinamento obrigatório para pessoas doentes e em vigilância ativa, o dever geral de recolhimento domiciliário e o uso obrigatório de máscaras ou viseiras em transportes públicos, serviços de atendimento ao público, escolas e estabelecimentos comerciais.

O Governo aprovou na sexta-feira novas medidas que entram hoje em vigor, entre as quais a retoma das visitas aos utentes dos lares de idosos, a reabertura das creches, aulas presenciais para os 11.º e 12.º anos e a reabertura de algumas lojas de rua, cafés, restaurantes, museus, monumentos e palácios.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.