As autoridades de Saúde brasileiras mantêm sob investigação 2.379 mortes, que poderão estar relacionadas com o novo coronavírus.

Geograficamente, São Paulo continua a ser o foco da pandemia no país, concentrando 1.098.207 pessoas diagnosticadas com a doença. Seguem-se os estados de Minas Gerais (351.033), Bahia (347.721), e Rio de Janeiro (304.904).

São Paulo (38.885), Rio de Janeiro (20.292), Ceará (9.305) e Minas Gerais (8.789) são, por sua vez, os estados com mais mortes no país sul-americano.

No total, 26 das 27 unidades federativas do Brasil já ultrapassaram os 50 mil casos cada uma, e 24 têm mais de mil vítimas mortais.

O Brasil, que é o país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo, é também uma das nações com maior número de recuperações, com mais de 4,9 milhões de pacientes recuperados da covid-19.

No momento em que enfrenta uma grave crise económica motivada pela pandemia, o Brasil atravessa também uma forte polémica em torno da vacina contra o novo coronavírus e da sua eventual obrigatoriedade, questão politizada pelo Governo de Jair Bolsonaro.

Perante a polémica, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, afirmou hoje que o Poder Executivo e o Legislativo deveriam encontrar uma solução para a vacina, ao invés da decisão ser tomada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

“A questão da obrigatoriedade pode ser debatida. A questão da vacina deveria ser tomada pelo Legislativo e pelo Executivo. Seria melhor do que uma decisão tomada pelo STF”, avaliou o deputado, em declarações à imprensa.

“Nós não devemos deixar um espaço aberto, esse vácuo, para que mais uma vez o Supremo decida e para que o Executivo e o Legislativo fiquem reclamando de algum ativismo do poder Judiciário”, acrescentou Maia.

Na semana passada, o presidente do Supremo, magistrado Luiz Fux, afirmou ser necessário que a Justiça analise questões relacionadas com a vacinação contra a covid-19.

Jair Bolsonaro já defendeu várias vezes que não obrigará os cidadãos brasileiros a tomarem o imunizante contra o novo coronavírus.

“Não podemos injetar qualquer coisa nas pessoas e muito menos obrigar. Eu falei, inclusive, que ninguém vai ser obrigado a tomar vacina, e o mundo caiu na minha cabeça. A vacina é uma coisa que, no meu entender, você faz a campanha e busca uma solução. Você não pode amarrar o cidadão e dar a vacina nele. Eu acho que não pode ser assim”, afirmou o Presidente no mês passado, dividimdo opiniões.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e mais de 43,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.