Numa nota conjunta, as três estruturas defendem que a Direção-Geral da Saúde (DGS) devia alterar a norma que determina as regras da campanha de vacinação contra a covid-19, considerando que “continua a deixar desprotegido um grande número de médicos, outros profissionais de saúde e demais grupos de risco”.

“A evidência científica existente demonstra que a imunidade de quem já teve covid-19 não se perpetua no tempo, sendo importante garantir rapidamente a imunização dos grupos mais expostos e de maior risco, mesmo que já infetados previamente com a SARS-CoV-2”, escrevem.

Lembram que os médicos e os outros profissionais de saúde “têm assumido todas as linhas da frente”, mesmo perante situações de grande dificuldade, “arriscando a sua própria vida para salvar outras”.

“Não podemos aceitar que, existindo vacinas seguras, a Senhora Ministra opte por manter estes profissionais de saúde em risco, num limbo por período indeterminado. É uma postura que consideramos técnica e eticamente reprovável”, defendem.

A norma da DGS que determina as regras da campanha de vacinação contra a covid-19, definindo as diversas fases e as prioridades, diz que, “enquanto a disponibilidade das vacinas for limitada, designadamente na Fase 1, a vacinação é priorizada para quem mais dela beneficia”, não devendo ser dada prioridade na vacinação a quem recuperou da doença.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.