“Penso que é muito cedo para tentar prever o início, o meio ou o fim dessa epidemia”, disse aos jornalistas o chefe do departamento de urgências de saúde da OMS, Michael Ryan.

Ryan falava em conferência de imprensa na sede da OMS, em Genebra, onde estão reunidos centenas de especialistas na busca de uma forma de conter o coronavírus, que já matou mais de mil pessoas na China.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou que “o número de novos casos relatados na China estabilizou na semana passada”, mas adiantou que tal deve ser “interpretado com muita prudência”.

“Esta epidemia pode ir em qualquer direção”, disse o responsável.

A conferência que a OMS está a organizar reúne várias centenas de especialistas em epidemiologia de todo o mundo para analisar formas de combater o vírus.

O Presidente chinês, Xi Jinping, saudou hoje o “desenvolvimento positivo” da epidemia, com o número de novos casos a cair durante três dias, ainda que o total de vítimas ultrapassem as 1.100.

Na conferência de imprensa em Genebra Michael Ryan também se referiu ao que parece ser a estabilização do número de novos casos, devido principalmente ao que disse ser a enorme operação de saúde pública na China, com 60 milhões de pessoas em quarentena.

A epidemia provocada pelo coronavírus detetado em Wuhan causou já 1.115 mortos, dos quais 1.113 na China continental, onde se contabilizam mais de 44 mil infetados, 2.015 detetados nas últimas 24 horas, segundo o último balanço divulgado.

De acordo com as autoridades de saúde de Pequim o número de mortos nas últimas 24 horas foi de 97.

O balanço é superior ao da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS, na sigla em inglês), que entre 2002 e 2003 causou a morte a 774 pessoas em todo o mundo, a maioria das quais na China, mas a taxa de mortalidade permanece inferior.

O novo vírus, que provocou um morto em Hong Kong e outro nas Filipinas, atinge também a região chinesa de Macau (8 casos de infeção, porque dois tiveram hoje alta) e mais de duas dezenas de países, onde os casos de contágio superam os 350.

Na Europa, contam-se desde segunda-feira 43 infetados, com quatro novos casos detetados no Reino Unido, onde a propagação do vírus foi declarada uma "ameaça séria e iminente para a saúde pública".

A situação motivou a marcação de uma reunião de urgência de ministros da Saúde dos países da União Europeia para quinta-feira, em Bruxelas, enquanto a Organização Mundial de Saúde (OMS) enviou uma equipa de especialistas para a China para acompanhar a evolução.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.