Numa resolução hoje aprovada no âmbito da sessão plenária que decorre em Bruxelas – por 593 votos a favor, 58 contra e 36 abstenções –, os eurodeputados defendem que a redução do fosso digital deve ser uma prioridade da UE, nomeadamente perante o aumento das desigualdades causado pela pandemia nos últimos meses.

No documento, os eurodeputados deploram as “discrepâncias graves” na aprendizagem a nível da UE durante o confinamento, patentes no facto de, em alguns Estados-membros, até 32% dos alunos não terem tido acesso à educação durante vários meses.

Por isso, a assembleia europeia considera que a Comissão Europeia deve investir na conectividade e equipamento digital, particularmente em áreas rurais, e ainda na formação de professores para utilização de tecnologia.

Numa altura em que a Europa enfrenta uma subida acentuada no número de infeções, os eurodeputados vincam que tal investimento deve servir para evitar problemas semelhantes nesta segunda vaga da pandemia, em que o ensino poderá de ser realizado à distância em algum momento.

Na resolução hoje aprovada, o Parlamento Europeu exorta, ainda, os Estados-membros a utilizarem os fundos disponíveis no âmbito do Fundo de Recuperação para responder à crise gerada pela covid-19 para estimular o investimento na educação.

Dados da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) referem que, durante a primeira vaga de covid-19, mesmo nos países mais desenvolvidos do mundo, 10% dos alunos não tiveram acesso à educação digital.

De acordo com a mesma organização, menos de 25% dos países de baixo rendimento ofereceram algum tipo de aprendizagem à distância.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.