“Para hoje havia só 102 vacinas. Vamos ver o que acontece nos próximos dias. É previsível que comece a ser regularizada a entrega de vacinas e, se isso acontecer, a logística instalada permite aumentar substancialmente a vacinação”, sublinhou Isaltino Morais, presidente da Câmara Municipal de Cascais ressalvando que ainda não existe previsão para a chegada de mais vacinas.

Contudo, o autarca fez um balanço positivo e destacou a boa disposição dos idosos com 80 ou mais anos e das pessoas com mais de 50 anos com doenças associadas que receberam a primeira dose de vacina esta manhã no Pavilhão Carlos Queiroz, em Carnaxide.

“Verifiquei que toda a gente ia com uma disposição extraordinária. Às 09:00 já estava uma fila enorme de pessoas à espera. Alguns até que estavam marcadas para as 10:30 ou as 11:00, mas às 09:30 já lá estavam para ser vacinas”, contou.

Isaltino Morais referiu que a maior parte das pessoas se deslocou para o centro de vacinação do município através de meios próprios, mas lembrou que a autarquia de Oeiras disponibiliza transporte para aquelas pessoas que não tenham outra alternativa.

Para esse efeito, a Câmara Municipal de Oeiras estabeleceu um protocolo com as cooperativas de táxi do concelho que asseguram o transporte gratuito entre a residência dos utentes e o centro de vacinação.

“À medida que se for registando maior afluência da vacinação, admitimos alargar o apoio de transporte gratuito aos munícipes, através das viaturas do COMBUS (autocarros municipais), apontou Isaltino Morais.

O município de Oeiras estima que nesta fase sejam vacinadas cerca de 20 mil pessoas, apontando para uma capacidade máxima de vacinação diária de 600 pessoas.

No concelho vizinho, o presidente da Câmara Municipal de Cascais, Carlos Carreiras (PSD), referiu que durante o dia de hoje foram vacinadas no Complexo Desportivo de Alcabideche, no distrito de Lisboa, 103 pessoas com 80 ou mais anos ou com 50 ou mais anos com doenças associadas e 41 profissionais de saúde.

No entanto, o autarca de Cascais manifestou-se descontente com o processo, uma vez que a autarquia esperava que tivesse tido início na segunda-feira e que chegassem ao município 3.335 doses de vacina.

“Não é indiferente colocar processos logísticos para 100 ou para 3.335, que foi a informação inicial que nos fizeram chegar”, apontou.

Entretanto, durante o dia de hoje chegaram ao município de Cascais mais 80 doses de vacinas que, segundo referiu Carlos Carreiras, serão administradas na quinta-feira a bombeiros.

Relativamente à continuação do processo de vacinação dos idosos com 80 ou mais anos e das pessoas com 50 ou mais anos e com doenças associadas “ainda não existe uma previsão”.

“Existe a condicionante que todos sabemos que é a chegada de vacinas a Portugal, no âmbito dos acordos que foram estabelecidos com a União Europeia”, apontou, ressalvando que a distribuição das vacinas na Área Metropolitana de Lisboa, face ao que acontece em território nacional, “não tem sido coerente”.

A Câmara Municipal de Cascais vai, entretanto, disponibilizar a partir de sexta-feira mais um espaço para vacinação, localizado no pavilhão de uma escola secundária em São Domingos de Rana e que terá capacidade para a administração de 1.200 vacinas diárias.

Com estas duas infraestruturas, Carlos Carreiras perspetiva que, “existindo vacinas”, o município fique com capacidade de proceder diariamente à vacinação de 2.400 pessoas e, com uma extensão de horário, pode ir até às 3.000.

Carlos Carreiras adiantou ainda que, a partir de segunda-feira, a Câmara de Cascais vai disponibilizar a todas as pessoas que tenham testado positivo à covid-19 ou sejam suspeitos de estar positivos um ‘kit’ que contém um oxímetro (medidor de oxigénio no sangue) e um medidor de temperatura.

“Evita que a pessoa que tenha uma situação um bocadinho mais periclitante vá logo a correr para o hospital e possa ser tratada em casa”, explicou.

Esta é uma nova etapa do plano nacional de vacinação contra o novo coronavírus, que se iniciou em 27 de dezembro.

A primeira fase abrangeu os profissionais de saúde diretamente envolvidos na prestação de cuidados a doentes, funcionários e utentes de lares de idosos e da rede nacional de cuidados continuados integrados, assim como elementos das forças armadas, das forças de segurança, de serviços críticos e titulares de órgãos de soberania e altas entidades públicas.

Recentemente, foram incluídos no plano de vacinação pessoas com 80 ou mais anos de idade e pessoas com mais de 50 anos com doenças associadas.

A campanha de vacinação contra a covid-19 foi planeada de acordo com a disponibilidade das vacinas contratadas para Portugal, que estão a ser administradas faseadamente a grupos prioritários, até que toda a população elegível esteja vacinada.

O objetivo é vacinar 80% das pessoas com mais de 80 anos até março.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.341.496 mortos no mundo, resultantes de mais de 106,8 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 14.718 pessoas dos 774.889 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.