A Audiência Nacional, um tribunal especial que trata dos casos mais graves, condenou a 53 anos de prisão Mohamed Houli, que foi ferido na explosão em Alcanar (Tarragona); a 46 anos Driss Oukabir, que alugou a carrinha de Las Ramblas; e a oito anos Said Ben Iazza, por ter emprestado os seus documentos e uma carrinha para comprar e transportar dispositivos explosivos.

Os ataques de 17 e 18 de agosto de 2017, reivindicados pelo grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico (EI), deixaram 140 pessoas feridas e tiveram como alvo a famosa avenida das Ramblas, no centro de Barcelona, quando um carro avançou pela zona pedonal e atropelou mortalmente 14 pessoas.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.