“Condeno com a maior firmeza a divulgação inqualificável dos dados pirateados do centro hospitalar de Corbeil-Essonnes”, escreveu hoje o ministro da Saúde francês, François Braun.

“Não faremos cedências a esses criminosos. Todos os serviços do Estado estão mobilizados”, acrescentou, citado pela AFP.

O hospital garante cobertura sanitária a perto de 700.000 habitantes e a divulgação das informações de saúde representa um risco de chantagem ou de extorsão para as pessoas envolvidas.

Segundo o hospital, as informações divulgadas pelos piratas na “dark web” “parece dizer respeito a utentes, ao pessoal e aos nossos parceiros”.

Entre essas informações figuram “alguns dados administrativos”, incluindo números de segurança social e “alguns dados de saúde, como relatórios de exames”, afirmou o centro hospitalar.

Segundo Damien Bancal, autor de um blogue de cibersegurança, o Zataz.com, que consultou o ficheiro que divulga os dados, este contém documentos como exames médicos, recurso à cobertura médica universal (CMU) e uma autorização de internamento no serviço psiquiátrico.

De acordo com o Zataz, o ultimato dado pelos ‘hackers’ ao hospital expirou em 23 de setembro.

O resgate fixado durante o ciberataque, no dia 21 de agosto, foi de 10 milhões de dólares, mas depois baixou para um ou dois milhões, segundo fontes que não foram divulgadas.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.