Os advogados de Joe Berardo, Paulo Saragoça da Matta e João Costa Andrade, saíram por volta das 22:40 do TCIC onde estiveram em consulta dos autos, após os trabalhos do processo em que são arguidos Joe Berardo e o seu advogado André Luiz Gomes terem sido interrompidos ao início da noite.

À saída do edifício do TCIC, nas antigas instalações da Polícia Judiciária (PJ) em Lisboa, Paulo Saragoça da Matta disse aos jornalistas que “há sempre a possibilidade de prestar declarações” e que a defesa está "a ponderar", sem confirmar se Joe Berardo irá exercer esse direito na quinta-feira.

Paulo Saragoça da Matta acrescentou que “o comendador está sereno” embora tenha salientado que “ninguém ficaria satisfeito por estar detido”.

O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC) Carlos Alexandre retoma na quinta-feira às 09:00 os trabalhos do processo em que são arguidos Joe Berardo e o seu advogado André Luiz Gomes, tinha dito à Lusa fonte da defesa.

Segundo informação do juiz Carlos Alexandre veiculada pelo Conselho Superior de Magistratura, os arguidos foram apresentados ao TCIC às 16:00 e começaram a ser ouvidos às 17:15.

O empresário e o advogado, detidos na terça-feira, respondem pelos crimes de burla qualificada, fraude fiscal qualificada e branqueamento de capitais, falsidade informática, falsificação, abuso de confiança qualificada e descaminho ou destruição de objetos colocados sob o poder público.

O processo conta com 11 arguidos, dos quais seis são empresas e cinco individuais.

Fonte ligada ao processo disse à Lusa que, dos cinco arguidos individuais apenas dois estão detidos, Joe Berardo e André Luiz Gomes.

Vários órgãos de comunicação social avançaram desde terça-feira que um dos arguidos é o ex-presidente da Caixa Geral de Depósitos Carlos Santos Ferreira, informação não confirmada oficialmente.

O caso foi tornado público depois de uma operação em que foram feitas cerca de meia centena de buscas, 20 domiciliárias, 25 não domiciliárias, três a estabelecimentos bancários e uma a escritório de advogado.

Segundo comunicados da PJ e do DCIAP, nesta investigação, que decorre no âmbito do denominado processo Caixa Geral de Depósitos (CGD), existem suspeitas da prática de administração danosa, burla qualificada, fraude fiscal qualificada, branqueamento e, eventualmente, crimes cometidos no exercício de funções públicas.

A PJ esclareceu que se trata de um grupo "que entre 2006 e 2009 contratou quatro operações de financiamentos com a CGD, no valor de cerca de 439 milhões de euros" e que terá causado "um prejuízo de quase mil milhões de euros" à CGD, ao Novo Banco e ao BCP.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.