Após uma visita de três dias à Nicarágua, que terminou no sábado, com o objetivo de avaliar a crise política e social que afeta aquele país, a delegação europeia rejeitou a tese do Presidente nicaraguense, Daniel Ortega, de que a crise no país foi desencadeada por uma tentativa de golpe.

“O governo e os seus parceiros oficiais insistem na tese que a crise foi desencadeada por um golpe violento e atos terroristas (…) Não acreditamos nessa hipótese”, disse o eurodeputado espanhol Ramón Jáuregui (Partido Socialista Operário Espanhol), que chefiou a delegação europeia formada por 11 deputados.

De acordo com os eurodeputados, a tese do golpe é “especulativa, partidária, (e) não é suportada por qualquer prova”.

A crise na Nicarágua é uma consequência da “repressão” feita por Ortega, apontou Ramón Jáuregui.

Por essa razão, a missão do Parlamento Europeu solicitou ao Governo da Nicarágua “para facilitar esse diálogo (através) de três gestos indispensáveis”: liberdade provisória para os manifestantes detidos, “cessar as limitações às liberdades e assédio dos líderes sociais” e a permissão do regresso ao país das organizações de direitos humanos.

Os eurodeputados recomendaram ainda um processo “genuíno” de diálogo e que a negociação deve incluir “a adoção de reformas eleitorais para garantir eleições confiáveis, respondendo aos padrões internacionais”.

“É a única maneira de resolver a crise e satisfazer as aspirações do povo da Nicarágua (…) para garantir que a decisão do povo é respeitada”, observou Jauregui, recordando que “a democracia tem uma regra, que é aceitar a possibilidade de derrota”.

A Nicarágua vive atualmente uma grave crise sociopolítica que começou com protestos pacíficos, em abril de 2018, contra a reforma do sistema de segurança social. As ações de protesto foram na altura duramente reprimidas pelas autoridades nicaraguenses, seguindo-se uma vaga de medidas de pressão contra as forças de oposição e a comunicação social local.

Segundo organizações humanitárias, a crise sociopolítica na Nicarágua já causou entre 325 e 561 mortos, centenas de desaparecidos, milhares de feridos e obrigou dezenas de milhares ao exílio.

Ortega, há 12 anos no poder, reconhece 199 mortos, embora o Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos e a Comissão Interamericana de Direitos Humanos tenham responsabilizado o governo por “mais de 300 mortos”, assim como por execuções extrajudiciais, tortura e outros abusos contra os manifestantes e os opositores.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.