Segundo o Diari de Andorra, o português chama-se Julio e era funcionário de um agricultor de Auvinyà, para quem trabalhava há mais de uma década, 84 horas por semana, e que esta quarta-feira foi detido, por crime contra os direitos dos trabalhadores, e mais tarde libertado, com termo de identidade e residência, enquanto aguarda julgamento.

Durante nos 12 anos, o português trabalhava entre segunda e sábado numa plantação de tabaco no absoluto anonimato documental e sem ter nenhum contrato. Foi por causa de um acidente de trabalho que sofreu no início de novembro do ano passado que as autoridades detiveram esta semana o patrão.

O jornal conta que emigrante nunca teve um dia de férias durante 12 anos, e que o seu dia de trabalho começava às seis da manhã e terminava às oito da noite, com uma hora de almoço.

O site "arandorra" refere mesmo que, isolado, o emigrante vivia para trabalhar, não via a família há muitos anos e acostumou-se a condições laborais de escravidão.

E que estas foram as condições de trabalho que Julio teve desde 2007 até novembro de 2019 quando, enquanto passeava as cabras numa colina da região, escorregou, caiu de uma altura de cerca de 70 metros e fraturou anca e costelas, sendo transportado de helicóptero para um hospital, onde acabou por ficar quase dois meses.

Na última quarta-feira, o agricultor foi detido pela polícia, acusado de crime contra os direitos dos trabalhadores, mas horas depois foi libertado, embora tenha ficado impedido de sair do país.

O emigrante já saiu do hospital, segundo a imprensa local, e aguarda uma intervenção médica, para colocação de uma prótese.

Vive atualmente num quarto de um edifício do governo, que partilha com mais quatro pessoas.

O trabalhador, de origem portuguesa, também não tinha permissão de residência e, portanto, cobertura saúde, deixando uma dívida financeira no hospital que acabou por ser assumida pelo departamento de assuntos sociais de Andorra.

O site 'arandorra’ indica que o português não falava catalão ou espanhol.

O conselheiro das comunidades portuguesa em Andorra, José Costa Gonçalves, contactado pela Lusa, não quis para já comentar o caso.

A Lusa também tentou, sem sucesso, contactar o cônsul honorário em Andorra, José Manuel Silva.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.