Quatro gerentes e quatro técnicos diretamente envolvidos na segurança e estabilidade da barragem em Brumadinho são os alvos dos mandados de prisão.

Segundo informações divulgadas pelas autoridades judiciais brasileiras, os funcionários da Vale ficarão detidos por 30 dias e serão ouvidos pelo Ministério Público em Belo Horizonte.

Além dos crimes de homicídio qualificado, os funcionários poderão responder por crimes ambientais e falsidade ideológica.

Estão a ser cumpridos outros 14 mandados de busca e apreensão em Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro.

Também são alvos das buscas funcionários da empresa alemã Tüv Süd, que prestaram serviços de estabilização da barragem de Brumadinho.

“Os documentos e provas apreendidos serão encaminhados ao Ministério Público do estado de Minas Gerais para análise”, refere-se numa nota emitida pelo Ministério Público de Minas Gerais.

O desastre em Brumadinho ocorreu a 25 de janeiro, quando uma das barragens nas quais a empresa mineira Vale armazenava resíduos rebentou, provocando uma avalanche de lama que soterrou as instalações da própria empresa e centenas de propriedades rurais.

A barragem que colapsou foi feita através do método de alteamento a montante, no qual se constroem degraus com os próprios resíduos, sendo o método mais simples e também o menos seguro.

Essa foi também a técnica de construção usada na barragem da empresa Samarco, uma ‘joint-venture’ da Vale e da BHP Billion, que rebentou em 2015, na cidade de Mariana, igualmente no estado de Minas Gerais, onde, aliás, se encontra a maior concentração deste tipo de estruturas, e que provocou 19 mortos.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.