Este ano coube ao secretário-geral adjunto, José Luís Carneiro, dar esse cumprimento, uma hora antes de começar a manifestação da CGTP, numa rua paralela à avenida Almirante Reis, acompanhado pelo socialista Fernando Gomes, dirigente da central sindical, e por Susana Ramos, secretária nacional do PS para o Trabalho.

José Luís Carneiro salientou a importância das “conquistas dos trabalhadores e a dignificação das condições laborais” saídas do 25 de Abril de 1974 e da democratização do país, considerando “importante reforçar esse compromisso relativamente ao futuro, num momento de crise” provocada pela pandemia de covid-19.

E acrescentou que, com o atual Governo, a resposta à crise foi diferente da dada pelos executivos PSD/CDS, que chegou a apelar, recordou, “à emigração dos mais jovens”.

Questionado pelos jornalistas se a presença do PS poderia também ser encarada como um sinal de entendimento à esquerda, o dirigente socialista fez referência ao “diálogo social”.

“É a demonstração de que o PS valoriza o diálogo social e que encontra no diálogo com os sindicatos um importante alicerce do progresso social e das condições de vida dos trabalhadores”, afirmou, depois de dizer que os socialistas valorizam o “diálogo social e a concertação social”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.