Numa nota à imprensa, a ANPC explica que o manifesto não é só “dirigido a um partido em particular, mas, sim, a todos, já que nenhum partido diz que não é amigo dos animais”, alertando para o “risco dos discursos fáceis” com o objetivo de angariar votos.

Para associação, a gestão de atividades e tradições e a gestão cinegética não “podem ser vistas como negativas”, uma vez que fazem “parte da natureza e do equilíbrio dos habitats”, sendo, para a mesma, ecologia e que “qualquer tentativa de a marginalizar será pura ‘Ecoditadura’”.

A ANPC acrescenta que discorda da “humanização dos animais”, concordando apenas com “o reforço dos deveres das pessoas para com o bem-estar animal”, precisando que a associação não quer que alguma decisão “contamine a democracia em Portugal”.

Tendo como prioridade promover formas de lidar com a Ecologia, a ANPC realça que “legislar de uma forma autista de nada serve”, se não forem salvaguardadas a sustentabilidade social, económica e cultural.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.