"Vou avançar se isto não ficar resolvido. Eu vou aos debates. Não vão gostar, mas vou lá defender aquilo que eu acho que tenho de defender. A minha obrigação é defender a região", afirmou aos jornalistas, à margem de uma visita à empresa Zoom Publicidade, no Funchal.

Miguel Albuquerque destacou questões como a criação de um novo quadro de atratividade fiscal, a assunção por parte do Estado de custos relacionados com a Educação, a Saúde, a Administração Pública e a mobilidade e a revisão da Lei das Finanças Regionais, afirmando que a atual "discrimina" a região e trata os madeirenses e porto-santenses como "cidadãos de segunda".

"Cheques em branco eu não passo a ninguém, nem o meu governo passa", disse. E reforçou: "É fundamental saber quais são as posições dos candidatos à Presidência da República sobre matérias que são do interesse fundamental para Portugal e para a Região Autónoma da Madeira".

Para Miguel Albuquerque, que lidera o executivo regional de coligação PSD/CDS-PP, a Madeira não pode viver em "contínua incerteza", nem ficar sujeita ou condicionada aos "humores", às "flutuações" e às "maiorias partidárias" ao nível do governo e da Assembleia da República.

O governante social-democrata madeirense reforçou que, antes de tomar a decisão sobre a sua eventual candidatura a Belém, quer "avaliar" as posições dos candidatos a Presidente da República sobre a região autónoma e também saber se o atual chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, avança com a recandidatura.

"Só posso amadurecer [a candidatura à Presidência da República] depois de ter uma reunião com o atual Presidente", sublinhou.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.