Na província de Idlib, último reduto dos rebeldes na Síria, os moradores vivem a angústia de uma ofensiva iminente das forças de Bashar al-Assad, apoiadas pela Rússia.

No povoado de Maar Shurin, este pai de três filhos faz orifícios no copo de papelão com uma agulha para que o ar passe. Coloca depois uma gaze no fundo do copo, cobre-a de algodão, acrescenta várias colheradas de carvão partido em pequenos pedaços, e, por último, uma camada de algodão e gaze. "É para que o carvão não penetre na boca", explica.

A última etapa deste paciente trabalho manual é a colagem de um saco de plástico ao copo, tornando possível cobrir da cabeça até as costas e, assim, proteger os olhos, as orelhas e as vias respiratórias.

"Aprendi [a técnica)] no YouTube", admite Chahhad.

Para testar a eficácia da sua invenção, coloca uma primeira máscara no rosto da sua filha de dois anos, depois no do seu filho, um ano mais velho.

"Coloca no teu nariz. Respira!", diz para a sua filha.

"O regime e a Rússia ameaçam bombardear com armas químicas. Tivemos de fabricar máscaras para proteger as nossas esposas e filhos caso aconteça alguma coisa", afirma.

"Medo dos aviões?"

O regime de Damasco é acusado de ter usado armas químicas em várias ocasiões durante o conflito que destrói a Síria desde 2011 e causou mais de 350.000 mortes.

Um ataque deixou mais de 80 mortos em abril de 2017 em Khan Sheikhun, província de Idlib. Um ano mais tarde, um suposto ataque químico na cidade de Duma, perto de Damasco, causou pelo menos 40 mortes.

Na terça-feira, a Rússia afirmou que os rebeldes sírios preparavam a "cenografia" de um falso ataque químico, que depois seria atribuído ao regime sírio como pretexto para uma eventual intervenção militar ocidental.

Pouco depois, o secretário americano da Defesa, Jim Mattis, advertiu o presidente sírio de que ele se arrisca a sofrer represálias se usar armas químicas num eventual ataque a Idlib.

Assim como acontece com Chahhad, o medo de uma grande ofensiva estimulou a criatividade de vários habitantes da região.

Na cidade de Binnich, no norte da província de Idlib, Oum Majed utilizou latas de refrigerante para fabricar máscaras artesanais contra gás para todos os membros da família.

Muitos habitantes de Idlib construíram abrigos para se proteger de eventuais ataques aéreos. Chahhad cavou um espaço subterrâneo há seis anos. Com uma lanterna, desce as escadas que leva de sua casa ao abrigo subterrâneo.

Potes de pepino em conserva estão num colchão sobre um longo banco de pedra, como reserva de alimentos.

"Tens medo dos aviões?", pergunta ao seu filho, em tom de piada. "Cavámos esse abrigo em 2012 por causa dos bombardeamentos e, com as últimas ameaças, limpá-mo-lo para nos protegermos" se for necessário. "As casas, em cima, não resistirão aos bombardeamentos".

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.