Washington tem criticado Pequim por subsidiar as empresas chinesas para dinamizar as exportações, o que, ao longo dos anos, tem prejudicado vários setores industriais dos Estados Unidos.

“Não podemos esperar que a China mude”, declarou Katherine Tai durante uma audição na Câmara dos Representantes, salientando que durante a administração de Donald Trump, se recorreu aos direitos aduaneiros sobre os produtos chineses para tentar pressionar a assinatura de um acordo bilateral.

A embaixadora lembrou que os Estados Unidos têm atualmente direitos aduaneiros sobre mais de 300 ou 400 milhares de milhões de dólares de importações chinesas.

“Isso não levou a China a mudar”, afirmou, acrescentando que os EUA devem pressionar mais a China para que mude de atitude.

Katherine Tai defendeu ainda que os Estados Unidos devem também desenvolver um plano para o futuro, apostando rapidamente no relançamento da indústria, como forma de se tornarem economicamente independentes da China.

“Enquanto mantemos a porta aberta às conversações com a China,(…) devemos também reconhecer os limites do acordo e voltar a página da anterior estratégia com a China, que consistia em insistir na alteração do seu comportamento”, disse.

O tratado comercial com a China, assinado pelo anterior presidente Donald Trump, está em vigor desde janeiro de 2020.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.