Avança a AFP que o grupo terrorista autoproclamado Estado Islâmico reivindicou o ataque perpetrado por um bombista suicida esta segunda-feira 22 de maio, em Manchester Arena, no final de um concerto de Ariana Grande. A reinvindicação está a ser avançada pela agência Amaq, meio de comunicação associado ao grupo extremista.

O comunicado, publicado pelo autoproclamado Estado Islâmico indica que "um dos soldados do califado colocou uma bomba no meio da multidão" durante o concerto, cita a AFP.

Um bombista suicida, que se fez explodir junto a uma saída da Manchester Arena, no Reino Unido, provocou a morte a 22 pessoas e feriu outras 59, algumas das quais ainda em estado crítico, revelou a primeira-ministra Theresa May em conferência de imprensa esta terça-feira, 23 de maio.

May acrescentou que a polícia já conhecerá a identidade do bombista, mas escusou-se a avançar mais detalhes, dizendo apenas que a prioridade é perceber se trabalhou sozinho ou se faz parte de algo maior.

Agora, o autoproclamado Estado Islâmico surge para reivindicar o ataque.

As autoridades prenderam entretanto um homem de 23 anos suspeito de estar relacionado com o ataque que está a ser tratado como um "incidente terrorista".

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.