Em comunicado, Joe Biden disse que importa encontrar formas de continuar a proteger os cidadãos da poluição e das alterações climáticas sob a lei federal.

“Não podemos e não vamos ignorar os danos que a crise climática pode causar à saúde”, disse Biden, que também prometeu trabalhar com Estados e cidades para aprovar regulamentações que protejam os cidadãos, além de pressionar o Congresso a agir.

No mesmo comunicado, Biden classificou a decisão do Supremo Tribunal como “mais uma decisão devastadora” que representa um novo “retrocesso” para o país.

Biden criticava dessa forma a decisão conhecida hoje pela qual o Supremo Tribunal limita a autoridade da Agência de Proteção Ambiental (EPA, na sigla em inglês) do governo para regular as emissões de gases poluentes emitidos por centrais elétricas, segundo um comunicado.

Observando que a decisão coloca em risco a capacidade do país de manter o ar limpo e combater as alterações climáticas, Biden alertou que não pretende abrir mão da sua autoridade legal para proteger a saúde pública e enfrentar a crise climática.

A decisão do Supremo Tribunal, num voto 6-3 tomado pela maioria conservadora do Tribunal, determina que a legislação antipoluição Clean Air Act não pode ser usada pela EPA para regular as emissões de gases com efeito de estufa provenientes das centrais elétricas.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.