O juiz Kwame Rowe rejeitou os pedidos dos advogados de defesa para que a pena fosse mais curta e garantiu que Ethan Crumbley, de 17 anos, não terá oportunidade de obter liberdade condicional.

Momentos antes de tomar conhecimento do seu destino, o adolescente pediu desculpa e pareceu concordar com as suas vítimas, de que o castigo mais severo era apropriado.

“Qualquer sentença que eles peçam, peço-vos que ma imponham”, disse o atirador, acrescentando: “Quero que eles sejam felizes e que se sintam seguros e protegidos. Não quero que se preocupem nem mais um dia. Peço imensa desculpa pelo que fiz. Mas posso dar o meu melhor no futuro para ajudar outras pessoas e é isso que vou fazer”.

As sentenças de prisão perpétua para adolescentes são raras no Michigan, uma vez que o Supremo Tribunal dos Estados Unidos e o tribunal superior do Estado afirmaram que os atos dos menores devem ser vistos de forma diferente dos crimes dos adultos. Mas a procuradora do condado de Oakland, Karen McDonald, disse que uma ordem de não liberdade condicional se enquadrava no caso de Oxford.

“Não é um momento para celebrar”, disse McDonald fora do tribunal. “É trágico. E as vozes de hoje, penso eu, mostram-no profundamente”.

A decisão de Rowe seguiu-se a comentários profundamente emotivos por parte das famílias dos falecidos e dos sobreviventes, que afirmaram que a tragédia tinha virado irremediavelmente as suas vidas do avesso.

Crumbley, que tinha 15 anos quando cometeu o crime, declarou-se culpado de homicídio em primeiro grau e terrorismo. Levou uma arma para a escola, mas a sua mochila nunca foi revistada, mesmo depois de os pais terem sido chamados nesse mesmo dia por causa dos desenhos do filho, que incluíam uma arma e palavras: “Os pensamentos não param. Ajudem-me”.

“Sou uma pessoa muito má. Fiz coisas terríveis”, disse Crumbley em tribunal na sexta-feira.

O juiz disse que o tiroteio foi planeado com bastante antecedência e observou que o atirador teve muito tempo para parar enquanto caminhava pela escola.

Rowe ficou especialmente preocupado com a forma como a vítima Hana St. Juliana foi repetidamente alvejada e com o facto de outro, Justin Shilling, ter sido alvejado à queima-roupa numa casa de banho, enquanto outro estudante era obrigado a assistir. Descreveu este facto como “execução” e “tortura”.

“O tribunal não pode ignorar o profundo trauma causado ao Estado do Michigan e à comunidade de Oxford”, afirmou o juiz.

A advogada de defesa Paulette Michel Loftin disse que Crumbley melhorou com medicação e cuidados de saúde mental.

“Está cheio de remorsos. Tem sido capaz de afastar as vozes e pensamentos obscuros”, disse Loftin.

Num diário, o atirador escreveu sobre o seu desejo de ver os estudantes sofrerem e a probabilidade de passar a vida na prisão. Fez um vídeo na véspera do tiroteio, declarando o que iria fazer no dia seguinte.

O tiroteio ocorreu em Oxford Township, cerca de 60 quilómetros a norte de Detroit. Além dos quatro alunos que morreram, mais seis alunos e um professor ficaram feridos.

O distrito escolar de Oxford contratou um grupo externo para efetuar uma investigação independente. Um relatório divulgado em outubro afirmou que “erros a todos os níveis” – direção da escola, administradores, pessoal – contribuíram para a tragédia.

O comportamento de Crumbley na sala de aula, incluindo a visualização de um vídeo de um tiroteio e de munições de armas no seu telemóvel, deveria tê-lo identificado como uma “potencial ameaça de violência”, segundo o relatório.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.